“Podia ser eu, podias ser tu”. Vigília pelo fim das mortes dos/das mais vulneráveis na estrada decorre este sábado

Fotografia cortesia de Artur Lourenço

Há cerca de um ano, centenas de pessoas ocuparam as vias de trânsito do Campo Grande e sentaram-se no asfalto quente. Em silêncio, com ou sem bicicleta ao seu lado, pediram cidades mais pacíficas, humanas e inclusivas. A vigília foi motivada pelo atropelamento mortal de uma jovem de 16 anos que atravessava, no verde e com a bicicleta pela mão, uma passadeira no Campo Grande. Um ano depois, mais uma morte: uma ciclista que seguia em plena Avenida da Índia e que foi colhida por trás por um automobilista.

Uma nova vigília está marcada para o próximo sábado, 3 de Julho, em memória desta vítima e de todas as outras pessoas que são utilizadores/as vulneráveis e que perderam a vida fruto da sinistralidade rodoviária. “É comum o sentimento de insegurança na via pública devido ao excesso de velocidade praticado. Os utilizadores vulneráveis, pela sua condição, são quase sempre as vítimas da sinistralidade dentro da cidade”, lê-se na convocatória realizada através do Facebook e que junta várias entidades, como a MUBi – Associação Pela Mobilidade Urbana Em Bicicleta, a Massa Crítica Lisboa e a página Ciclovia Na Marginal.

A vigília pretende-se pacífica como a do ano passado, e deverá realizar-se nos mesmos moldes: durante sensivelmente 20 minutos, os participantes irão ocupar a Avenida da Índia, no local onde se deu a colisão que vitimou uma mulher grávida de 37 anos deste sábado. Em silêncio, os participantes farão uma homenagem a esta e a todas os outras pessoas que de bicicleta ou a pé já perderam a vida nas ruas da cidade – “uma chamada de atenção para que a cidade se torne rapidamente mais segura para que não haja nem mais uma vítima”.

A vigília pretende alertar para a necessidade de se acalmar o tráfego e limitar a velocidade a 30 km/h nas zonas urbanas, de melhor fiscalizar os excessos de velocidade, e de se repensar os perfis de “auto-estrada” da Avenida da Índia, do Campo Grande e de muitas outras artérias com características idênticas nas nossas cidades.

A utilização de máscara e a manutenção de distâncias de segurança deverão ser seguidas, de acordo com as normas da Direcção-Geral de Saúde (DGS). Se levares bicicleta, esta poderá ser utilizada para salvaguardar as distâncias. Esta vigília será coordenada no local com a ajuda da PSP, que garantirá a interrupção temporária de trânsito na avenida.

Os interessados em participar poderão juntar-se à vigília directamente às 11h30 na Avenida da Índia, entre Algés e Belém, mais concretamente neste local. No entanto, o ponto de encontro será mais cedo, pelas 11 horas, numa artéria paralela – a Rua dos Cordoeiros a Pedrouços (neste ponto no mapa). Podes juntar-te ao evento no Facebook aqui. “Todas as pessoas e todos os colectivos de utilizadores de bicicleta estão convidados a estar presentes.”