Avançar para o conteúdo

Comissão Europeia selecciona AML para se tornar resiliente às alterações climáticas até 2030

A Área Metropolitana de Lisboa (AML) vai participar na “Missão Adaptação às Alterações Climáticas” da UE. Cascais e Mafra também foram escolhidas.

Fotografia de Lisboa Para Pessoas

A Área Metropolitana de Lisboa (AML) foi selecionada pela Comissão Europeia para participar na Missão Adaptação às Alterações Climáticas (ou, simplesmente, Missão Adaptação), um desafio lançado pela União Europeia (UE) para apoiar e promover regiões europeias a se tornarem resilientes às alterações climáticas até 2030.

Além da AML como um todo, foram seleccionadas as cidades de Cascais e Mafra, que também integram esta região. Fora da AML, as regiões do Cávado, Coimbra e Médio Tejo, bem como as cidades do Fundão e Vila Pouca de Aguiar também irão participar nesta Missão Adaptação. Por toda a Europa, são 118 regiões ou localidades seleccionadas, de 18 Estados-membros diferentes, que receberão apoio institucional e financeiro da UE com o intuito de se adaptarem às alterações climáticas. Outros seis participantes serão oriundos de países associados ou potencialmente associados ao Horizonte Europa, o programa de investigação e inovação da UE.

Quer se trate de vagas de calor mortais, de secas devastadoras, de incêndios florestais ou da erosão do litoral devido à subida do nível do mar, as alterações climáticas estão já a ter consequências graves na Europa, afetando não só o ambiente e a economia, mas também a saúde dos europeus. A frequência e a gravidade dos fenómenos climáticos e meteorológicos extremos está a aumentar, pelo que temos de encontrar rapidamente soluções que reforcem a nossa resiliência climática.

O que é a Missão Adaptação?

A Missão Adaptação visa prestar apoio a pelo menos 150 regiões e comunidades, contribuindo assim para acelerar a sua transformação rumo à resiliência climática até 2030. A Missão ajudará estas regiões e órgãos de poder local a melhor compreender os riscos climáticos e a preparar-se para os enfrentar e gerir, bem como a desenvolver soluções inovadoras em matéria de resiliência. As regiões e cidades participantes nesta Missão poderão servir de inspiração a outras regiões da Europa e do mundo para fazer face às alterações climáticas e acelerar a transição para um futuro sustentável e próspero.

Entre 2022 e 2023, a Missão Adaptação e as mais de 100 regiões e cidades beneficiarão de um financiamento de 370 milhões de euros no âmbito do Horizonte Europa. As acções de investigação e inovação visarão a reconstrução das zonas afetadas por fenómenos climáticos extremos, a reabilitação das planícies aluviais, a agricultura vertical, as abordagens em matéria de protótipos de seguros ou a criação de cidades “perfeitamente adaptadas”, capazes de resistir a tempestades ou vagas de calor.

Está igualmente prevista a possibilidade de desenvolver iniciativas conjuntas com outras missões e programas da UE, como é o caso da Missão Cidades que integra Lisboa e que irá promover uma cidade neutra até 2030. A Missão proporciona também oportunidades em matéria de criação de redes e intercâmbio das melhores práticas entre as diferentes regiões e órgãos de poder local e contribui para encorajar a participação dos cidadãos.

Da base para o topo

“Muito embora as negociações sobre o clima tenham um alcance mundial e grande parte da nossa legislação seja europeia, as mudanças de que necessitamos no terreno são locais e serão introduzidas cidade a cidade, bairro a bairro e rua a rua. A mudança apenas será possível mediante uma abordagem da base para o topo”, entende Frans Timmermans, vice-presidente executivo do Pacto Ecológico Europeu, citado em nota de imprensa. “As mais de 100 regiões e comunidades que aderiram à Missão Adaptação serão verdadeiras pioneiras, que demonstrarão a milhões de europeus que é possível construir um futuro ecológico, limpo e saudável em benefício de todos.”

Os participantes nesta Missão Adaptação passarão a beneficiar de uma plataforma de execução, que entrará em funcionamento no início de 2023, e que lhes permitirá desenvolver em conjunto soluções para fazer face às alterações climáticas; terão acesso a dados sobre o clima e a metodologias de avaliações dos riscos e beneficiarão de orientações específicas sobre as medidas de adaptação mais eficazes.

A Missão Adaptação às Alterações Climáticas foi apresentada em Setembro de 2021. Existem quatro outras missões da UE que abrangem os desafios mundiais em matéria de cidades com impacto neutro no clima e inteligentes, a recuperação dos oceanos e das águas, a qualidade dos solos e a luta contra o cancro. Estas missões contribuem para a realização das prioridades da Comissão, como o Pacto Ecológico Europeu, a iniciativa Uma Europa Preparada para a Era Digital, a Luta contra o Cancro e o Novo Bauhaus Europeu.