Mapas colocam as redes viária e ciclável de Lisboa em perspectiva

Manuel Banza, 28 anos, analista de dados e autor da experiência “cidade dos 15 minutos” aplicada a Lisboa, estava no Twitter num sábado à noite de confinamento quando decidiu ir ao Open Street Map e “brincar” com as redes viária e ciclável da cidade de Lisboa. O resultado são dois mapas que ilustram o quão inferior é em volume a infraestrutura para bicicletas na capital portuguesa em comparação com aquela que existe para o automóvel.

O desafio surgiu por meio de um internauta português, Francisco Costa, e de uma partilha de uma visualização que fazia este tipo de comparação na Irlanda.

Manuel Banza criou o mapa para Lisboa; Rosa Félix, investigadora do Instituto Superior Técnico, especialista em mobilidade, fez a análise para Portugal. Por via do chat do Twitter, os dois colaboraram com Francisco neste pequeno projecto, partilhando as cores e metodologias para que os mapas ficassem idênticos. Se em Lisboa é possível notar uma rede ciclável já com algum peso, ao nível nacional percebe-se o quão irrisórias são as ciclovias existentes.

Visualizações cortesia de Rosa Félix

Para as ciclovias, Rosa extraiu os dados das ciclovias do mapa comunitário Ciclovias.pt por ter mais troços; já para as rodovias, tirou a informação do Open Street Map, excluindo tudo o que estivesse classificado com “pedestrian”, “footway”, “steps”, “cycleway”, “unclassified”. Rosa diz que o mapa das ciclovias demorou poucos segundos a exportar, enquanto que o das estradas “umas boas horas”; a diferença está na quantidade de informação que cada um contém: 837 mil segmentos de estradas em contraste com apenas 2,2 mil segmentos de ciclovias. Manuel Banza usou apenas dados do Open Street Map.

O Open Street Map é, como o nome sugere, um mapa aberto e desenvolvido pela comunidade, ao contrário do Google Maps, cuja gestão e licenciamento dependem da norte-americana Google. No Open Street Map não só qualquer pessoa pode editar o mapa – por exemplo, da sua rua ou da sua localidade para acrescentar uma informação omissa ou corrigir um erro – e até mesmo extrair dados para criar visualizações ou outros tipos de análise de dados.

Segundo os dados abertos disponibilizados pela Câmara de Lisboa, existem na cidade 1700 km de estradas (rede viária) e cerca de 120 km de ciclovias (rede ciclável). A autarquia espera chegar ao final deste 2021 com perto de 200 km cicláveis, estando, por isso, novas ligações em curso, incluindo a Avenida Lusíada ou a Alameda das Linhas de Torres.

Manuel analisou também os dados da rede pedonal de Lisboa. Em baixo, podes ver a rede viária e pedonal (à esquerda) e os trajectos onde só se pode caminhar (à direita):