Quando uma fotografia não mostra tudo e espalha desinformação

Fotografia de Mário Rui André/Lisboa Para Pessoas

Fomos a Campo de Ourique, bairro que passará parcialmente a Zona 30. Entre ruas de tráfego intenso, viaturas paradas nas curvas e em cima de passadeiras e estacionamento em cima do passeio, chegámos à Rua Saraiva de Carvalho. Foi aqui, no troço entre os números 64A e 104, que um utilizador numa rede social tirou e partilhou uma fotografia de um passeio estreito e difícil de caminhar, preenchido com pilaretes, tornando a área útil ainda mais pequena.

Se é verdade que existe esse passeio junto a um muro (o do Cemitério Inglês), a fotografia não mostrava o outro lado da rua, onde o passeio foi duplicado para permitir até o cruzamento de duas cadeiras de criança, como exemplifica a Junta de Freguesia de Campo de Ourique. O jornal Polígrafo considerou, por isso, a denúncia do internauta como falsa.

O aspecto anterior da rua era composto por dois passeios de dimensões inferiores a 50 centímetros, o que não só leva o peão a optar pelo asfalto para caminhar (colocando-o em risco), como contraria o Manual de Espaço Público da cidade, que estabelece 1,20 metros de “largura útil mínima (…) entre o eixo do pilarete e o plano marginal do percurso pedonal”.

O antes (imagem via Google Street View)

A Junta de Freguesia de Campo de Ourique explicou-nos que o passeio junto ao muro teve de ser colocado para corrigir as imperfeições do mesmo – é ligeiramente inclinado e não tem uma curvatura linear –, ajudando os veículos a guiar a sua manobra e a evitar eventuais colisões. Já os pilaretes impedem qualquer tentação de estacionamento ou paragem rápida na zona, algo que, por exemplo, encontrámos numa rua mesmo ali perto.

Fotografia de Mário Rui André/Lisboa Para Pessoas

A Rua Saraiva de Carvalho não vai receber nenhum dos corredor 30+bici que estão planeados para Campo de Ourique e que já começaram a ser implementados. No entanto, a rua recebeu alguns detalhes de acalmia de tráfego e melhoria de segurança de todos. O passeio junto às passadeiras foi avançado de forma a dar mais visibilidade ao peão e impedir estacionamento ilegal, as curvaturas das ruas foram apertadas para forçar a diminuição da velocidade e também impossibilitar paragens abusivas de veículos, a área pedonal alargada permite caminhar confortavelmente e foram instaladas bolsas de motas junto às passadeiras para aproveitar os cinco metros antecedentes onde um carro estacionado retiraria visibilidade.

A gramática que Campo de Ourique seguiu naquela rua é a mesma que está a ser aplicada noutras zonas da cidade como Alvalade e que a Junta de Freguesia pretende alargar a mais ruas. Um processo que não será rápido nem imediato mas que, aos poucos e poucos, será feito para que o bairro se torne mais seguro, calmo e também respirável.